Doenças de verão

As doenças de verão acompanham a chegada do calor forte. Pessoas de diferentes idades correm para as praias, piscinas de clubes e bares buscando amenizar o calor com pouca, ou nenhuma, preocupação com a sua saúde. É como se o verão fosse uma estação livre do risco de doenças, um medo que fica restrito à época do inverno. Mas, não se engane, as doenças de verão podem ser ainda mais perigosas e, o pior de tudo: ignoradas.

Algumas doenças de verão típicas são as micoses, diarréias e infecções de garganta e ouvido, adquiridas pelo contato direto com a água contaminada de piscinas e praias. A alta concentração de pessoas e a pouca atenção dada à higiene pessoal acabam por potencializar o risco de contaminação. Assim como a falta de limpeza correta por parte dos clubes (para as piscinas) ou prefeituras (para as praias).

Piscinas

As piscinas, de modo geral, devem ter sua água filtrada e tratada quimicamente de forma ininterrupta. De modo que as bactérias que possam estar nela sejam eliminadas em nível satisfatório para a saúde humana. E não se engane! Mesmo uma água cristalina pode conter colônias de bactérias: somente um tratamento químico pode diminuir o risco de adquirir uma das doenças de verão, e não apenas a limpeza através de redes, por exemplo. Por outro lado, as pessoas que frequentam as piscinas também precisam se conscientizar e melhorar seu comportamento ao frequentá-las. Como evitar urinar nelas ou comer nas áreas próximas, passar na ducha antes de entrar, não nadar quando estiver doente ou com alguma ferida aberta.

Praias

Quanto às praias, as prefeituras são responsáveis por analisar a água e qualificá-las como “própria” ou “imprópria” para os banhistas, e cabe à população obedecer aos avisos, de modo a evitar contaminações pelas doenças de verão, ou ainda, outras muito mais sérias e fatais. Sabemos que o grande responsável pela contaminação das águas de praias é o esgoto que desemboca sem tratamento, trazendo até mesmo superbactérias, como a KPC, encontrada em praias carioca, em 2014, contudo, de nada adianta à nossa saúde ignorar os avisos e mergulhar em águas poluídas. Melhor é seguir nadando em águas comprovadamente limpas.

Falamos sobre a alta concentração de pessoas em locais típicos de verão. Tais como clubes e bares, e isso também aumenta consideravelmente o risco de contaminação pelas doenças de verão. Sendo assim, continue utilizando o álcool em gel para evitar contrair bactérias ao frequentar algum desses lugares.

Evitar as doenças de verão requer medidas simples e conscientização, garantindo uma época de diversão tranquila para adultos e crianças. Informe-se, siga nossas dicas e passe por essa estação livre das bactérias e vírus.

FONTES: